Cartas de guerra

Texto realizado a partir de Cartas de Guerra, de António Lobo Antunes. 

Chiúme, 1 de julho de 1971

Minha querida amada,

Não imaginas a alegria que senti ao ler a tua carta! Apesar de estar distante, o meu amor por ti e agora pela nossa filha, fruto do nosso carinho e ternura, aumenta de dia para dia. É como se quanto mais saudade tenho de casa, mais vos amo, a cada hora que aqui passo.

 Sonhei imensas vezes com este momento: ela deitada no meu colo, de olhos azuis grandes e brilhantes, tal como os teus, com os lábios vermelhos e carnudos e a sua pele branca como a neve, acabadinha de sair do teu ventre e eu, pai babado, chorando de alegria, por ver que, agora, a coisa mais importante da minha vida era um ser vivo, feliz e tão pequenino, que eu segurava com uma só mão. Imaginava-a como uma Matilde, uma Leonor ou, provavelmente, uma Inês.

Durante esta semana, fui recebendo todos os dias cartas dos nossos familiares que me felicitaram pelo grande acontecimento. A tua avó diz que ela é parecida contigo. Uma bebé  frágil, mas ao mesmo tempo extrovertida, enquanto a minha mãe diz que a menina é a minha “fotocópia”. Gostava imenso de poder concordar com a minha mãe, portanto, da próxima vez, envia-me fotos da nossa princesa.

Com amor,

António

*

Rufina Freitas, 10º42

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s