Luz

Cosmo lógico, perdido, difuso,

Emaranhado numa teia contínua

Lavada de brio e incapacidade.

Reduz momentaneamente a incidência

Catapultando algo bizarro.

*

Cegos, céticos confiam vidas.

Perdidos se encontram a jazer

Ao lado, o desconhecido perdura,

Respira, suspira, está vivo.

Não sou o único, não estou só.

*

Tal e qual como uma projeção

Um eu igualmente enganado

Toque subtil, sublime, volátil

Quebra, roda e tudo muda.

*

Realidade desconstruída, só minha.

Minha e de alguém de mim.

*

Destino sóbrio, regido a régua,

Vincado aos lados e…

Tudo vive, tudo sente, tudo respira.

Segundos depois subitamente nada.

*

Sobro eu, no silêncio modesto,

Confiando, olhando e…

A inércia.

*

Voltei, estou cá.

Serei mesmo eu?

Eu vi a luz.

*

Deixei-me cair,

Tive a certeza.

Tudo se esconde

Onde ninguém procura.

*

Eu vi.

*

Tomás Gomes

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s